Buscar

Reforma Administrativa afeta a vida de todos, inclusive dos trabalhadores do setor financeiro

Proposta está em tramitação na Câmara. Após pressão dos trabalhadores nesta semana, votação do relatório foi adiada


A pressão feita por servidores públicos de todas as esferas foi intensa durante esta semana, em Brasília, para barrar a tramitação da PEC 32, da Reforma Administrativa. Trabalhadores de Santa Catarina também estiveram presentes nas atividades, unidos às centenas de lideranças sindicais e servidores públicos de várias partes do Brasil, além de parlamentares contrários à proposta.


Uma das estratégias utilizadas foi a realização de visitas diretamente nos gabinetes dos deputados federais catarinenses, dialogando diretamente com os parlamentares para explicar os efeitos nocivos da PEC 32 para a população brasileira. Nos gabinetes onde os deputados não estavam presentes, a conversa ocorreu com os respectivos assessores.


Durante três dias, líderes sindicais, servidores, representantes de partidos da esquerda e de movimentos sociais percorreram os corredores do Congresso Nacional. A pressão surtiu efeito e a votação do relatório da Reforma Administrativa (PEC 32) na comissão especial da Câmara, prevista para a quinta-feira (16), foi adiada para a próxima semana.


Na próxima terça-feira (21), o relator da matéria, deputado Arthur Maia (DEM/BA), deverá apresentar uma terceira versão do relatório, com mudanças de conteúdo, na tentativa de conseguir a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional número 32.


Se aprovada, a Reforma Administrativa vai resultar no desmonte do Estado, facilitando ainda mais a privatização de empresas e bancos públicos, o que afeta diretamente a categoria bancária. Além disso, entre tantos outros prejuízos, a proposta extingue a estabilidade de servidores, amplia a contratação de comissionados e reduz concursos públicos. Ou seja, abre a possibilidade de que a cada eleição os governantes possam demitir e contratar pessoal sem concurso e sem exigências de qualificação, o que é popularmente conhecido como “apadrinhamento político”.





Mobilização deve continuar


Mesmo com o adiamento da votação, todos devem permanecer mobilizados contra a Reforma Administrativa. Se for aprovada na comissão especial da Câmara na próxima terça-feira (21), a PEC 32 poderá ser levada a Plenário logo no dia seguinte, caso esta seja a decisão do presidente Arthur Lira, que tem a prerrogativa de definir quais matérias entram na pauta de votação da Casa.


Já está convocada uma nova jornada na capital federal a partir da próxima terça-feira (21), com a presença de representações dos trabalhadores, atos nos aeroportos, realização de assembleias de base e manifestações nos municípios e capitais dos estados.


Um abaixo-assinado está sendo realizado contra a PEC 32, que pode ser acessado aqui.


Vamos juntos derrotar a Reforma Administrativa!


#Fetrafi-SC