Buscar

Mercantil retira patrocínio da CAVA

Para o dirigente da Fetrafi-SC, Leandro Spezia, “a retirada do patrocínio do plano de benefícios previdenciários da CAVA demonstra total desrespeito aos funcionários do banco”

O grupo Mercantil do Brasil anunciou a retirada do patrocínio do plano de benefícios previdenciários da CAVA e que a decisão seguirá para providências e posterior submissão à Previc, para a devida aprovação. A CAVA, que tem no nome a homenagem a Vicente Araújo, fundador do Mercantil, foi criada pelos empregados, em 3 de maio de 1958, sob a forma de associação e declarada de utilidade pública pela Lei Estadual de Minas Gerais nº 2.601, de 5 de janeiro de 1962, com a missão de oferecer os seguintes benefícios aos seus participantes: auxílio natalidade, auxílio educacional CAVA, auxílio doença, auxílio funeral e pecúlio por morte.


Prevista por lei complementar, a retirada de patrocínio é uma prerrogativa do patrocinador. Entretanto, deve ser tratada como algo excepcional, somente em casos extremos, e deve ter uma série de garantias à parte mais prejudicada na ação, ou seja, os trabalhadores que são participantes dos planos, atitude que não foi observada pelo Mercantil.


Para o dirigente da Fetrafi-SC e funcionário do Banco Mercantil do Brasil, Leandro Spezia, “a retirada do patrocínio do plano de benefícios previdenciários da CAVA, por parte do Banco Mercantil do Brasil, demonstra total desrespeito aos funcionários do banco que já vem sofrendo com centenas de demissões e fechamento de agências em todo o país”. O banco tem demitido, inclusive, dirigentes sindicais desrespeitando também a legislação trabalhista, contou.


Já para a Comissão de Organização dos Empregados (COE), o fim do patrocínio e a iminente extinção dos benefícios aos funcionários representam que o Mercantil do Brasil segue sua sana por lucros cada vez mais exorbitantes, em detrimento da qualidade de vida e valorização dos seus trabalhadores. “Não concordamos com a retirada de patrocínio da CAVA. A retirada é um tapa na cara dos funcionários do Mercantil do Brasil que contribuíram a vida inteira para preservar seus benefícios”, destacou Marco Aurélio Alves, funcionário do Mercantil e coordenador nacional da COE.


Fonte: Contraf-CUT, com edição da Fetrafi-SC