Buscar

Funcionários do BB paralisam atividades para protestar contra reestruturação do banco

Funcionários do Banco do Brasil realizaram atos e manifestações em todo o País nesta quarta-feira (10), em protesto contra a agenda de ataques do governo Bolsonaro à instituição.


A direção do Banco anunciou recentemente que durante o primeiro semestre deste ano serão fechadas centenas de unidades, entre agências, escritórios e postos de atendimento. Além disso, foi aberto um novo Programa de Demissão Voluntária e a previsão é de que cerca de cinco mil trabalhadores façam a adesão.


Ao todo, 870 locais passarão por mudanças. Muitas das agências que serão fechadas estão em cidades do interior do Brasil, e que não dispõem de qualquer outra instituição financeira. Ou seja, além dos funcionários, a população também será diretamente prejudicada com a reestruturação.

Vale lembrar que por trás dessas medidas está a intenção do governo federal em se desfazer do Banco do Brasil aos poucos. Um banco público, que há mais de 200 anos exerce um papel histórico no desenvolvimento econômico das diversas regiões do País, além de atender a parcela da sociedade que mais sofre financeiramente. Agora, com Bolsonaro, o BB está ameaçado pela privatização.

Isso tudo em meio à uma crise sanitária que cresce e se agrava a cada dia, tendo o desemprego como uma das mais cruéis consequências. Bolsonaro demonstra que não se importa com o futuro do Brasil. Menos ainda com a vida dos brasileiros.

O movimento sindical reivindica a suspensão imediata das medidas de reestruturação previstas para o Banco do Brasil, que, assim como todas as demais empresas públicas, é um patrimônio dos brasileiros, construído por gerações, e deve ser preservado.



Agência do BB no centro de Florianópolis, fechada em razão da paralisação de 24h dos funcionários