Buscar

Democracia deve ser uma luta diária e contínua

Primeira mesa de debates do 38º Conecef, nesta sexta-feira (10), contou com contribuições do ator Gregório Duvivier


A primeira mesa de debates desta sexta-feira (10) no 38º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa Econômica Federal (Conecef) contou com a participação do ator, humorista, roteirista e escritor Gregório Duvivier, que contribuiu com reflexões sobre democracia.


Ele alerta que muita gente acha que a democracia foi ganha. “Só que a democracia não é um sistema binário, onde se ganha e se perde. Ela é um espectro que o país precisa caminhar”. Por isso, para Duvivier, precisamos ter o compromisso de lutar pela democracia hoje, amanhã e sempre. “A democracia é uma pedra que a gente empurra ladeira acima e, de repente, ela rola pra baixo e temos que empurrá-la novamente”, disse, ao fazer mais um alerta, com relação ao trabalho pra a manutenção do sistema democrático. “A democracia dá muito trabalho. Ela não se ganha, precisa ser disputada diariamente no nosso cotidiano”, afirmou, citando como exemplo os discursos utilizados por Marcello Freixo e Marcelo Crivella na disputa pela prefeitura do Rio de Janeiro. Crivella dizia que queria cuidar das pessoas e Freixo dizia que queria que a população construísse a administração da cidade juntamente com ele. “A democracia dá trabalho. As pessoas não querem trabalhar, querem ser cuidadas”.

Empecilhos para a democracia e o golpe

Na democracia, os empecilhos não são apenas eleitorais, segundo Duvivier, são também geográficos e citou como exemplo a cidade do Rio de Janeiro, onde grande parte dos territórios é dominada pela milícia.

“A gente sabe que está numa democracia quando as pessoas armadas estão a serviço e obedecem as pessoas desarmadas”.

Mas, para ele Bolsonaro já nos mostrou que não é preciso dar um golpe para acabar com a democracia e, caso ocorra algum golpe no Brasil, ele não será com tanques no Congresso Nacional. “O golpe já começou quando um CEO do Bradesco dá o depoimento que deu em apoio ao Exército, ou quando os militares ocupam os ministérios e podem fazer o que quiserem, inclusive comprar próteses”, disse.

Em mensagem que veio a público no último sábado (4), o diretor-presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Junior, elogia o Exército Brasileiro e diz que no quartel aprendeu que “missão dada é missão cumprida” e que “o soldado Lazari continua de prontidão”, o que deixou transparecer ser uma peça institucional, que poderia ser entendida como apoio do banco aos ataques à democracia que vem sendo feitos por Jair Bolsonaro e seus apoiadores. O banco negou que o vídeo seja institucional.

Veja vídeo com depoimento de Duvivier. A íntegra será disponibilizada posteriormente pela TVContraf:

Fonte: Contraf-CUT