Buscar

Contribuição Negocial em benefício de todos os bancários


A Contribuição Negocial, apesar do nome parecido, pode ser confundida com a Contribuição Sindical (Imposto Sindical) ou a antiga Taxa Assistencial, mas nada tem a ver com ela. A Contribuição Negocial é um instrumento indispensável para a manutenção da organização sindical, assim como para a manutenção da estrutura das Campanhas Salariais, que visam proteger e ampliar os direitos e benefícios da categoria bancária.


Ela é uma importante conquista da categoria, tendo sido regulamentada na Campanha Nacional dos Bancários de 2018 e aprovada nas assembleias da categoria. Desde lá, a Contribuição Negocial é distribuída para as entidades que representam os trabalhadores da seguinte forma: 70% é destinada aos sindicatos; 15% vai para as federações, as confederações recebem 10% e as centrais sindicais, ficam com 5% do total arrecadado. Com esta distribuição, percebe-se que a maior parte da contribuição permanece na própria base sindical do bancário que contribuiu, ou seja, 85% dos valores.


Este recurso é usado pelas entidades para fortalecer a organização dos trabalhadores no sentido de preservar os direitos garantidos na Convenção Coletiva de Trabalho (CCT). Não é à toa que a categoria bancária é considerada uma das mais organizadas do país e que conquistou muitos benefícios ao longo dos anos através de muita luta. As entidades que representam os trabalhadores não medem esforços quando se trata de lutar pela manutenção e ampliação dos direitos da categoria e é aí que está a importância da Contribuição Negocial.


Tradicionalmente, os bancários realizam campanhas salariais todos os anos para ampliar ainda mais seus benefícios e os recursos arrecadados pela Contribuição Negocial se transformam em instrumentos de luta da categoria através do fortalecimento da organização dos trabalhadores e de manutenção dos sindicatos, ou seja, a contribuição paga por todos os bancários é destinada ao pagamento das despesas jurídicas, técnicas e administrativas das entidades sindicais e das negociações coletivas da categoria.


É através desta contribuição que o sindicato e a categoria se fortalecem financeiramente para continuar lutando por seus direitos porque a ameaça dos banqueiros em retirar direitos dos trabalhadores é constante e a luta não acaba com o fim das campanhas salariais e a assinatura dos Acordos Coletivos. A luta segue.


Vale lembrar que a Reforma Trabalhista e o fim do imposto sindical significaram o enfraquecimento do movimento sindical como um todo porque muitas entidades de representantes de trabalhadores sucumbiram após essas medidas adotadas no governo de Michel Temer e muitas categorias ficaram sem representação por conta disso.


Portanto, a Federação dos Trabalhadores em Instituições Financeiras de Santa Catarina (Fetrafi-SC) reforça a importância da contribuição da categoria para manter e ampliar seus direitos e lembra que as conquistas alcançadas beneficiam os sindicalizados e, também, os não sindicalizados. Logo, todos contribuem e todos se beneficiam com o fortalecimento das entidades sindicais.