Buscar

Bancos alcançam resultados históricos de lucro mesmo com pandemia e crise econômica no país

Atualizado: Ago 13

Resultado, entretanto, é fruto do trabalho dos bancários, que convivem com a pressão diária pelo atingimento de metas


A pandemia do coronavírus causou diversas restrições à atividade econômica, seja pela queda na renda das famílias, seja pelos adiamentos de projetos empresariais e pessoais. Conforme o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o desemprego mantém o recorde de 14,7% e atinge 14,8 milhões de brasileiros.

Apesar dos números alarmantes sobre o aumento do desemprego no Brasil, a pandemia parece não afetar um setor, especialmente. Os bancos seguem aumentando seus lucros, mesmo com o agravamento da crise econômica no país, aprofundada pela pandemia.

Itaú-Unibanco, Bradesco, Banco do Brasil e Santander somaram um lucro líquido de R$ 23,161 bilhões no segundo trimestre deste ano. O resultado representa um aumento de 90% comparado ao mesmo período do ano passado, sendo o terceiro maior da história. Na comparação com o primeiro trimestre de 2021 (R$ 18,609 bilhões), o ganho aumentou 24,5%.


Resultado gerado pelos trabalhadores

Este lucro é resultado do trabalho dos bancários. No entanto, a categoria não é reconhecida pelos bancos. Pelo contrário, os ataques são constantes. A pandemia comprovou que a ganância dos bancos nunca terá fim. Como se não bastassem os ataques aos direitos já conquistados pela categoria, o fechamento de postos de trabalho e agências continua, assim como as demissões dos trabalhadores.

Além disso, os trabalhadores dos bancos públicos ainda sofrem com a não reposição dos bancários afastados pelos programas de demissão voluntária e de adequação de quadros. A carência de empregados acarreta a sobrecarga de trabalho e, consequentemente, leva ao adoecimento da categoria.

Outro fator que colabora ainda mais com o aumento do lucro dos bancos é o home office. Pesquisa realizada pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Econômicos (Dieese) no final do ano passado mostrou que o home office, conhecido também como trabalho remoto ou teletrabalho, tem aumentado as despesas dos empregados e reduzido os gastos administrativos dos bancos. Segundo o estudo, os bancos estão transferindo parte das suas despesas para os trabalhadores, causando compressão indireta de rendimentos.

Conforme o Dieese, as tarifas de energia elétrica, gás, internet e alimentação têm apresentado sucessivas altas, gerando mais despesas para os bancários que trabalham de casa.

Além disso, as diversas restrições impostas ao combate da pandemia acelerou o uso dos canais digitais dos bancos. Isso tem motivado ainda mais o fechamento de agências e postos de trabalho. Ainda de acordo com o Dieese, o avanço dos canais digitais também tem auxiliado em ganhos cada vez mais significativos para os bancos.

No entanto, cabe ressaltar que ainda existe uma parcela muito grande da população que precisa do serviço presencial e, em muitas cidades, não há rede de internet capaz de atender a população. Ou seja, o serviço prestado pela categoria presencialmente à população ainda se faz muito necessário.