Buscar

Seminário nacional ressalta importância dos bancos públicos para o Brasil


Evento faz parte da campanha em defesa dos bancos públicos, da soberania nacional, do crédito, do emprego e do desenvolvimento


Bancários e bancárias de todo o país participam, nesta terça-feira (29), em Brasília, do debate sobre a importância dos bancos públicos para a sociedade brasileira. O seminário “O Brasil é nosso” está sendo promovido pelas frentes parlamentares mistas em Defesa da Soberania Nacional e em Defesa dos Bancos Públicos como parte da campanha em defesa dos bancos públicos, da soberania nacional, do crédito, do emprego e do desenvolvimento. O evento conta com o apoio da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e da Federação Nacional das Associações dos Empregados da Caixa (Fenae).



“Os bancos públicos são instrumentos estratégicos. Quando bem usados pelo governo, dispõem crédito para o desenvolvimento e, consequentemente, geram emprego e renda para os trabalhadores”, explicou a presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira.


Juvandia explica que os bancos públicos também são fundamentais para o desenvolvimento igualitário do país, como determina a Constituição Federal e a legislação específica do sistema financeiro. São essas instituições que concedem crédito para as regiões mais carentes. “Os bancos privados têm como objetivo o lucro. Os públicos visam o retorno para a sociedade”, diz ela.


Crédito para quem mais precisa


Levantamento realizado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), com base em dados do Banco Central de março de 2019, mostra que 90,9% do crédito na região Norte é concedido por bancos públicos. No Centro-Oeste, 88,1%; no Nordeste 84,8%; e no Sul 80,5%. Somente na região Sudeste os bancos privados detêm a maior parte do crédito (69,3%).


Até a gestão passada, o predomínio dos bancos públicos na carteira de crédito era ainda maior. Em fevereiro de 2018, os bancos públicos eram responsáveis por 94,5% do crédito na região Norte; 91,8% no Centro-Oeste; 87,3% no Nordeste; e 84% no Sul.


Considerando as carteiras específicas de crédito rural e habitacional, os bancos públicos respondem por 72,9% e 80,5%, respectivamente, dos financiamentos para estas áreas em todo o país, chegando a responder pela totalidade do crédito destas carteiras em algumas regiões.


Soberania


O vice-presidente da Federação Nacional das Associações dos Empregados da Caixa (Fenae), Sergio Takemoto, que é também secretário de Finanças da Contraf-CUT, ressaltou a importância dos bancos públicos para a soberania nacional. “Em 2009, quando os bancos privados restringiram ainda mais o crédito, o governo usou os bancos públicos para estimular a economia e evitar estragos ainda maiores ao país”, lembrou.


Na manhã desta quarta-feira (30), também em Brasília, os bancários se juntam a trabalhadores de outras categorias para participar do ato em defesa da soberania nacional. A atividade ocorrerá em frente à sede do Ministério da Economia, na Esplanada dos Ministérios.

Com informações Contraf-CUT


Parceiros nas Lutas!

JOACABA.png

BANCÁRIOS

ARARANGUÁ

BANCÁRIOS

CHAPECÓ

BANCÁRIOS

BLUMENAU

BANCÁRIOS

CRICIÚMA