Buscar

1° de Maio, Dia dos Trabalhadores(as), é marcado por atos em Defesa da Vida e pelo Fora Bolsonaro

Na capital catarinense, o Dia dos Trabalhadores e das Trabalhadoras foi marcado por atos em defesa da vida, pelo pagamento de auxílio emergencial no valor de R$ 600 até o fim da pandemia, pela vacinação em massa para toda a população, pela geração de emprego e renda, em defesa dos serviços e das empresas públicas, contra a reforma Administrativa e pelo fim do governo Bolsonaro.

A programação começou às 8h na Ponte Hercílio Luz, com a colocação de cartazes. Também foram feitas intervenções em frente ao Ticen, com exposição de faixas e fixação de 500 cruzes.

Logo após, às 10h, em frente à catedral, um ato simbólico unificado reuniu lideranças do movimento sindical, dos movimentos sociais e de partidos políticos de esquerda, também com a fixação de cruzes e exposição de faixas.

Centenas de cruzes foram espalhadas em diversos pontos da região central da capital para lembrar as mais de 400 mil vítimas da Covid-19. Mortes que poderiam ter sido evitadas, em sua grande maioria, não fosse a negligência do governo Bolsonaro no combate à pandemia.

Além disso, o País precisa de medidas urgentes para geração de emprego e renda. O governo federal não tem programa algum para aquecer a economia, tampouco políticas públicas consistentes para atender a população mais pobre do País, que sofre com as consequências da pandemia de coronavírus.

#1MPelaVida

#DiaDoTrabalhador